sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

O Cérebro Reptiliano, por Jerônimo Mendes

Todos os seres humanos possuem aquilo que os antropólogos, sociólogos e estudiosos da psicologia cognitiva chamam de cérebro reptiliano, localizado no topo da espinha dorsal. Este pequeno órgão é considerado o responsável pela nossa sobrevivência há milhares de anos.

O cérebro reptiliano não é um mero conceito. Ele é fato, está sempre com fome, sede, medo, raiva e tenso. Sua preocupação principal é a segurança, pois aprendeu há muito tempo que é bem mais fácil entrar na zona de conforto do que lutar por um lugar ao sol.

O aumento da complexidade humana e, por consequência, o aumento da competitividade no mundo em que vivemos favoreceram a identificação do cérebro reptiliano. É possível distinguir claramente quando utilizamos o resultado do nosso processo evolutivo (razão) e quando utilizamos o resultado do processo irracional (emoção), fruto da herança reptiliana.

Apesar de termos evoluído bastante em termos de cooperação, o cérebro reptiliano define as regras da sobrevivência. É um ser enigmático, irracional, de dimensões primitivas, predominante no comportamento humano.

Nas palavras de Seth Godin, autor e guru norte-americano, o cérebro reptiliano vai lutar até a morte se necessário, mas ele prefere fugir. Em geral, é vingativo e não vê nenhum problema em ficar com raiva. Importa-se com o que todo mundo pensa e manter o status na tribo é essencial para a sobrevivência.

Diferente dos seres humanos, os animais ainda possuem o seu cérebro cem por cento reptiliano. Eles fazem o que fazem porque é a única coisa que sabem fazer, usar o instinto. Você nunca vai encontrar o leão argumentando com a presa: - hum, será que devo comê-lo ou não?

O cérebro reptiliano é o órgão responsável pelo seu medo, pela sua resistência, pelo recuo na maioria das vezes. É a razão pela qual você não expressa integralmente todo o seu potencial. É a única fonte de bloqueio da sua genialidade ou da sua vontade de realizar as coisas.

Quantas ideias boas você já teve na vida? Centenas delas, ou será que você só tem ideia ruim? Dentro de cada ser humano – isso não é privilégio de um nem de outro – existem duas partes distintas: o sim e o não, o otimista e o pessimista, o gênio e o resistente.

Daemon é uma palavra grega que os gregos acreditavam se tratar de um ser separado que habita em cada um de nós. Os romanos se referiam ao daemon como gênio, ou seja, aquele que vive dentro do ser humano para produzir arte em qualquer área com a qual ele se identifique.

Antes da Revolução Industrial e dos empregos formais, éramos todos gênios ou daemon. Dentro de nós havia um artista genial, um pintor, um escultor, um artesão de mão cheia, um músico capaz de extrair som dos instrumentos mais primitivos.

Com a Revolução Industrial e a promessa dos empregos seguros, estáveis e tranquilos, a maioria foi confinada em espaços milimetricamente planejados para abafar o gênio e estimular a resistência.

A resistência existe há um milhão de anos. O daemon (gênio) também, entretanto, a resistência é mais forte na maioria das pessoas. Ela tem medo do que pode acontecer se você se tornar diferente. Ela não está acostumada ao sucesso, portanto, ela assume o controle e tenta se proteger.

Imagine se a resistência vai deixa-lo abandonar o emprego que você conquistou com tanto esforço, afinal, ali você está garantido pelo resto da vida ainda que não seja feliz. De fato, o cérebro reptiliano existe para mantê-lo vivo. A resistência provoca angústia, ou seja, conflito entre suas ideias geniais e o mundo lá fora.

A resistência quer que você se aposente primeiro, pois falta apenas vinte anos e o que são vinte anos? Você não vai trocar o emprego fixo por essa ideia maluca de abrir o próprio negócio, vai?

Em todos os momentos, a resistência está sempre tentando inibir as ideias brilhantes que o daemon produz. Lembre-se das ideias fantásticas que você já teve, mas foram abafadas pela sua resistência. E o que é pior: as ideias que você abandonou renasceram na cabeça de alguém que soube neutralizar a resistência e aproveitá-las melhor.

O exemplo mais vivo que tenho em mente é o de Eloy D´Avila, fundador da Flytour, a maior empresa de pacotes de viagem do Brasil. A empresa fatura hoje mais de R$ 4 bilhões por ano. A resistência o perseguiu por vários anos e, apesar de tudo, o daemon se saiu vencedor.

Depois de apanhar em casa, perder todos os dentes da frente com um soco, passar fome, perambular pelo sul e sudeste de carona em carona, dormir em pontos de ônibus, bancos de praça e areias da praia, vender pastéis, ser mordido por cachorros raivosos, contrair sífilis e passar por todo tipo de privação, ainda conseguiu se salvar e criar uma empresa de nome internacional.

Se você acha que tem problemas, leia a história dele na Internet. Você pode digitar a frase “Passei muita fome, conta o dono da bilionária Flytour” no Google e ler a história completa. Leia do começo ao fim e tire suas próprias conclusões. É de tirar o fôlego.

Assim como é na vida pessoal é na profissional. Você trabalha o tempo todo com pessoas que vivem à mercê da resistência e adoram seguir as regras, afinal, em time que está ganhando não se mexe. A resistência vive esbravejando ao seu ouvido: - cuidado, você pode fracassar.

Portanto, cada vez que você ouvir a voz da sua resistência lembre-se: na maioria das vezes você vai fracassar, mas se fizer um levantamento rápido de todas as pessoas que já fracassaram, incluindo amigos seus, vai ver que todas estão vivas e a maioria venceu o cérebro reptiliano.

Como diz o próprio Godin, você se torna um vencedor quando se torna bom em fracassar. Ao tentar de novo por muitas e muitas vezes você vai fortalecer o daemon e dar um claro sinal de demonstração que a resistência não tem a mínima chance contra você.

Pense nisso e empreenda mais e melhor!

Jerônimo Mendes
Administrador, Coach, Professor Universitário e Palestrante, apaixonado por Empreendedorismo. Mestre em Organizações e Desenvolvimento Local pela UNIFAE. Livros Publicados: Empreendedorismo para Jovens (Atlas) Manual do Empreendedor (Atlas) Oh, Mundo Cãoporativo! (Qualitymark) Benditas Muletas (Vozes) Encontro das Estrelas (Canção Nova) Benditas Muletas (Nueva Palavra, México).

terça-feira, 25 de junho de 2013

O Tesouro do Dragão


poesia de Nótlim Jucks

Quando a olho, meu coração se inflama;
ela possuí aquele encantamento que não se explica,
aquele brilho nos olhos que só se pode admirar e sonhar.
Algo que muitas vezes nos faz inutilmente hesitar.

Há tanta determinação em seu sorriso
que fica difícil não entender;
ela ilude o tempo e conhece o caminho;
um caminho trilhado rumo ao paraíso.

Ela é um misto de alegria e seriedade;
ela vive e aprende as lições que a vida ensina,
olha adiante e vê tudo que ainda pode ser;
como os sonhadores que veem a vida a sua maneira.

Há aquela porção do artífice do Universo nela;
aquela mágica que muitas vezes ela não sabe como,
mas que surge de dentro dela e lhe dá prazer;
o prazer de ser extraordinária no que faz.

Toda vez que paro e lhe dou atenção,
é como se ela sem querer se infiltrasse em meu coração;
um efeito instantâneo de um sorriso delicioso
e um olhar intrigantemente misterioso.

Como uma lenda universal ela é a potencialidade;
é a vida que palpita em seu verdadeiro sentido.
É a loucura de sonhar e a força de realizar,
o poder de se preparar e confiar em si.

Ela é a trova do trovador,
a paixão do cavaleiro andante;
o Graal de Parsifal,
a princesa que converteu o deus excedente.

E inutilmente meu coração hesita;
mas no fundo sabe que se ela desejar,
não há nada que possamos fazer;
ela continuará a nos fazer sonhar.

Ela é o tesouro guardado por Smaug;
ela se faz todas as minhas historias de fantasia,
todas aquelas que consigo lembrar.
Ela é Turandot que apaixona os guerreiros.

Ela é assim um sonho distante de mim;
mas não simplesmente um fim,
é o principio, o ritmo que infla meu coração;
o sorriso pelo qual hoje me deixei tomar.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Quando faltam palavras.

E aí quando você já não tem mais palavras, inspiração ou qualquer coisa que faça que você consiga expressar o que sente, o que passa, o que pensa...surge David Bowie do seu hiato de 6 anos e lança essa preciosidade.


segunda-feira, 5 de março de 2012

Sobre o tempo ou como estava o mar...


Tempo perdido
Tempo atrasado
Tempo parado

Tempo preciso
Tempo sofrido
Tempo arrasado

Tempos melhores
Esperanças vindouras
de uma alegria perene
sobre nossas coroas

Enquanto o tempo passa
a maré vaza e baixa
deixando a vista a mordaça
que sozinha nos faz sofrer